25 de março de 2014

Portugal está mais pobre

Na aula de rádio tivemos que escrever umas notícias sobre assuntos actuais do dia. Escolhi ficar com o relatório que o Instituo Nacional de Estatística tornou público, no dia de ontem.

O estudo sobre a taxa do risco de pobreza apresenta números tão negros que assustam qualquer um. Mais... é especifico no que toca a grupos etários. Os jovens com menos de 18 anos, no ano de 2012, foram os que mais sofreram com esta taxa de pobreza. Dizem que a falta de actividades extra curriculares e a impossibilidade de fazer férias fora de casa fizeram os números disparar.

Outra (não) novidade são os números de desempregados no limite da pobreza... são 40,2%. Já imaginaram? E as famílias com filhos dependentes? Os números são de ir às lágrimas... então comigo... que imagino logo setenta cenários diferentes para cada uma destas pessoas...

Há famílias que já não têm, neste momento, e segundo outras notícias que li, possibilidade de pagar bens de primeira necessidade. Comer carne, peixe, pagar a renda da casa ou água e o gás já começa a ser tarefa dura para algumas pessoas aqui, deste "nosso" portugal.

Ai portugal, portugal... gosto cá pouco de criticar o que é meu mas, na verdade, não temos grandes motivos para dizer coisas fofinhas.

E ainda a notícia. O INE revelou que o limiar da pobreza estão nuns simpáticos 18,1%. Mas... e há sempre um mas, tendo em conta os rendimentos médios de cada um. Se juntarem à inflação a taxa é afixada nos 24,7%.

É muito número, eu sei. Mas é extremamente preocupante quando ainda nos é alertado, numa outra notícia do género, que os números poderiam ir para o dobro (50%!!!!) caso não houvessem pensões, subsídios de desemprego e rendimentos de inserção social.

Olhem que encorajador han? Que vontade de sair da cama com alegria... mas bom, mais vale ganhar pouco e certo do que nenhum. Mas não chega. As pessoas estão mal habituadas... habituaram-se a viver das grandezas. E agora? Pedem-lhes para apertar o cinto como se comer alface fosse suficiente para perder dois ou três tamanhos de calças em dois dias?

Ok portugal... vamos num bom caminho. 

Podem ler as notícias em questão aqui, aqui e aqui.
O relatório publicado pelo INE encontram-no directamente aqui.

8 comentários:

  1. Vi hoje uma reportagem na televisão sobre este estudo e efetivamente o fosso entre ricos e pobres é cada vez maior. E isto dá que pensar. Se há pessoas que continuam a manter o seu nível de vida, outros há que vivem em condições que não lembra a ninguém.

    ResponderEliminar
  2. Preocupa-me um pouco mais a pobreza da mentalidade portuguesa.

    ResponderEliminar
  3. Açúcar,
    Estou em economia e vejo estes e outros números todos os dias. O que me preocupa mais do que os ver é saber que há pessoas que os vêem e não fazem nada do que está ao seu alcance. Sei que é complicado e que ha muitos factores, mas no fundo julgo quem se esquecem do respeito pelas pessoas e uns pelos outros. No fundo, talvez estejamos já embrenhados nesta mentalidade. Não sei, mesmo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu deus... vendo por essa perspectiva, sim! Só espero que tenhamos força para nos desembrulharmos desta mentalidade...

      Eliminar
  4. Portugal qualquer dia fica como o Brasil, a classe média desaparece, ou há ricos ou há pobres. Não estou a par dos últimos estudos do INE, mas pelo que tenho observado directamente, não dúvido nada que nos próximos tempos as coisas vão ficar ainda piores. Basta ir a um supermercado, um local com bens de primeira necessidade, e deparar-me com pouca gente mesmo em fins-de-semana e no final do mês! Já não se vê aquelas filas malucas para a caixa.
    Eu fico seriemente preocupada com esta situação, de como as pessoas sobrevivem.

    Bjokas*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer... a questão é mesmo essa: como é que as pessoas sobrevivem e vivem em dias de crise?

      Eliminar

Respondo quase sempre aos comentários por aqui mas faço questão, também, de ir sempre aos vossos cantinhos.
Obrigada por passarem por aqui. =D